Como o retorno da minha Carteira Magnetis é calculado?

Preparamos este conteúdo para esclarecer suas dúvidas sobre o método de cálculo da rentabilidade da sua Carteira Magnetis, e o porquê dele ser utilizado! 

O método para calcular a rentabilidade de um portfólio de investimentos é o Time-Weighted Return, TWR, que traduzido quer dizer: Retorno Ponderado pelo Tempo. Este é o método mais comum no mercado financeiro principalmente em fundos de investimento.

A fórmula para o cálculo do TWR é:

Rt=[(1+R1)* (1+R2)*(…)*(1+Rn)]-1

Sendo:

R=[valor final – (valor inicial+fluxo de caixa)]/(valor inicial+fluxo de caixa)

Rt= rentabilidade total

Rn= rentabilidade do período n

Apesar do TWR não ser muito intuitivo para os menos familiarizados com investimentos, não é necessário se assustar com o “jeitão” do cálculo, porque na realidade ele é simples. 

O cálculo é feito pela divisão dos retornos de um portfólio em períodos, e depois multiplica-se os períodos entre si para obter o retorno total. Esses períodos têm como base os intervalos entre as aplicações e resgates.

O que costuma gerar mais dúvida é que o TWR não mostra se o investidor ganhou ou perdeu dinheiro após a segunda aplicação, ele mostra apenas o percentual de retorno. Com isso é possível notar:

  • uma rentabilidade positiva com um ganho em dinheiro negativo, ou;
  • uma rentabilidade negativa com um ganho em dinheiro positivo, ou ;
  • uma rentabilidade positiva com ganho em dinheiro positivo, e ainda;
  • uma rentabilidade negativa com ganho em dinheiro negativo.

O motivo é que o Retorno Ponderado pelo Tempo não leva em consideração o volume dos aportes. Ou seja, não faz diferença para o cálculo do retorno se o aporte foi de R$1,00 ou R$ 1.000.000,00.

Precisa de um exemplo? Veja abaixo. 

Imagine que você investiu R$ 1milhão na sua carteira em 31 de dezembro. Em 20 de junho do ano seguinte, sua carteira está avaliada em R$ 1.162.484. Nesta data, é feita uma aplicação adicional de R$ 100mil, elevando o valor total da carteira para R$ 1.262.484.

Passados mais alguns meses, a carteira teve uma queda e o valor da carteira diminuiu para R$ 1.192.328. O retorno do período de 31 de dezembro a 20 de junho, seria calculado como:

Retorno= (R$1.162.484 – R$1.000.000) / R$1.000.000

Retorno =16,25%

O retorno do período inicial para o segundo período, de 20 junho a 31 de dezembro, seria calculado como:

Retorno=(R$1.192.328 – (R$1.162.484+R$100.000)) / (R$1.162.484+ R$100.000)

Retorno= -5.56%

O segundo período é criado após a aplicação de R$ 100mil e para que a taxa de retorno seja calculada refletindo esse aporte no novo saldo de R$ 1.262.484 ou (R$ 1.162.484 + R$ 100.000).

O retorno ponderado no tempo para os dois períodos de tempo é calculado multiplicando-se a taxa de retorno de cada período entre si, como dito no começo deste artigo. O primeiro período é o período anterior à aplicação e o segundo é o período após a aplicação de R$ 100.000. Assim, o resultado é calculado da seguinte maneira:

Retorno ponderado pelo tempo = (1+16,25%)* (1+ (-5,56%)) -1=9,79%

Vamos a mais um exemplo?

O cenário agora é outro e você investiu R$ 1milhão na carteira em 31 de dezembro. Em 20 de junho do ano seguinte, sua carteira está em R$ 1.162.484. Nesta data, é feito um resgate de R$ 100.000, reduzindo o valor total do portfólio para R$ 1.062.484.

No final do ano, a carteira diminuiu de valor para R$ 1.003.440. O retorno do período de 31 de dezembro a 20 de junho, seria calculado como:

Retorno= (R$1.162.484 – R$1.000.000) / R$1.000.000

Retorno=16,25%

O retorno do período de 31 de dezembro a 20 de junho, seria calculado como:

Retorno=(R$1.003.440 – (R$1.162.484 – R$ 100.000))/(R$1.162.484- R$100.000)

Retorno= -5,56

O retorno ponderado no tempo levando em consideração os dois períodos é calculado multiplicando esses dois retornos:

Retorno ponderado pelo tempo = (1+16,25%)* (1+ (-5,56%)) -1=9,79%

Com isso, podemos concluir que: nos dois cenários você receberia o mesmo retorno ponderado no tempo de 9,79%, mesmo que em um deles você tenha adicionado dinheiro e no outro retirado dinheiro. 

O cálculo TWR, elimina os efeitos do fluxo de caixa porque o retorno ponderado no tempo é um conceito importante que permite aos investidores comparar os retornos dos investimentos de suas carteiras com outros produtos financeiros.

E o rendimento é líquido ou não?

O retorno exibido na sua carteira de investimentos já é líquido da taxa Magnetis

Quanto aos impostos, o retorno mostrado varia de acordo com o tipo de ativo que você tem em sua carteira, entenda:

  • Títulos de renda fixa: os tributos incidem no momento do vencimento ou do resgate (direto na fonte). Assim, o retorno mostrado geralmente não considera esses impostos, ou seja, não é mostrado de forma líquida de IR;
  • Fundos de investimento: para os fundos que têm cobrança de come-cotas, sua cobrança incide nos meses de maio e novembro. Desse modo, se houver alguma diferença a ser cobrada é feito direto na fonte no momento do resgate;
  • Renda variável: os impostos incidem no momento do resgate, ou seja, não é mostrado de forma líquida de IR.

Tem alguma dúvida sobre como calcular o rendimento líquido de um investimento? Acesse este conteúdo e confira! 

Escrito por Magnetis Investimentos

Atualizado há 5 meses atrás

Encontrou sua resposta?