Quando você vende ETFs e obtém lucro com a operação, é necessário pagar o Imposto de Renda (IR) sobre esse ganho. Como o pagamento não acontece automaticamente no momento da venda, o próprio cliente é responsável por recolher o imposto.

Esse procedimento deve ser feito até o último dia útil do mês seguinte ao da operação por meio do pagamento de uma guia de recolhimento, o Documento de Arrecadação da Receita Federal (DARF).

Veja mais: Já conhece os fundos de investimento exclusivos da Magnetis?

A seguir, vamos mostrar como calcular corretamente os valores para gerar o DARF e também como emitir a guia de pagamento.

Aqui na Magnetis, nós fazemos para nossos clientes a conta do valor que deve ser recolhido. Então, se quiser, você pode pular direto para o tópico "Como gerar e pagar o DARF" no final desta página.

Como calcular o lucro da venda de ETFs?

O lucro da venda de ETFs é apurado a partir da diferença entre o preço médio de venda e o preço médio de compra.

Um exemplo: imagine que você tenha comprado 10 cotas de um ETF por R$ 1 mil em um determinado período. Passados 6 meses, você vendeu essas cotas por R$ 1,2 mil, obtendo assim um lucro de R$ 200. 

O IR a pagar, nesse caso, totaliza R$ 30 (alíquota de 15% sobre o lucro).

No entanto, é possível descontar do IR a pagar os custos de corretagem e emolumentos.

Vamos ver como isso funciona a partir do cálculo do preço médio de compra e venda dos ativos.

Como calcular o preço médio de compra?

O preço médio é o valor total dos ativos, ponderado pela quantidade. 

Imagine que você tenha comprado 10 cotas de um ETF, cada uma a R$ 100. 

Passados 2 meses, você comprou mais 10 cotas do mesmo ETF por R$ 120.

Imagine também que você tenha gasto R$ 10 com corretagem e emolumentos em cada uma das transações.

Para calcular o preço médio de compra, bastam os seguintes passos:

  • multiplicar a quantidade da primeira compra pelo preço do ativo na ocasião (o resultado será R$ 1 mil);
  • somar a essa operação o custo dos emolumentos e da corretagem (se houver);
  • multiplicar a quantidade da segunda compra pelo preço do ativo na ocasião (o resultado será R$ 1,2 mil);
  • somar à nova operação o custo dos emolumentos e da corretagem (se houver).

Suponha que o custo de corretagem e emolumentos seja de R$ 10 por operação. Assim sendo:

  • R$ 1 mil + R$ 10 = R$ 1.010;
  • R$ 1,2 mil + R$ 10 = R$ 1.210.

Agora, para obter o preço médio de compra, basta somar os resultados e dividir pela quantidade de ETFs que você possui:

  • R$ 1.010 + R$ 1.210 = R$ 2.220;
  • R$ 2.220 / 20 = R$ 111 (preço médio de compra).

Como calcular o preço médio de venda?

O procedimento é bastante semelhante ao anterior. A diferença é que, ao contrário de somar os custos de corretagem e emolumentos ao preço de compra, é preciso subtraí-los.

Imagine que você tenha vendido todas as suas 20 cotas de ETF, cada uma por R$ 130. O cálculo fica assim:

  • 20 x 130 = R$ 2.600;
  • R$ 2.600 - R$ 10 = R$ 2.590;
  • R$ 2.590 / 20 = R$ 129,50

No final, o imposto a ser recolhido é a diferença entre o preço médio de compra e o preço médio de venda. Neste exemplo, trata-se de um lucro de R$ 18,50 por ETF ou R$ 370 no total.

É sobre esse valor que os 15% de IR devem ser calculados. Ou seja, o imposto a pagar é de R$ 55,50. Assim:

Importante: só é possível calcular o preço médio de ativos iguais. Logo, é incorreto somar BRAX11 com SMAL11, por exemplo.

As informações sobre preços e quantidades estão disponíveis em seu Painel de Controle. Basta acessar a sua conta na Magnetis e clicar no botão 'Histórico'. Na seção, você poderá visualizar todas as movimentações realizadas.

O que fazer em caso de prejuízo?

Não é necessário pagar IR caso a operação resulte em perdas.

Também é possível abater um prejuízo anterior do lucro de uma operação atual, desde que ambas envolvam ativos da mesma classe (ETFs com ETFs, ações com ações, FIIs com FIIs).

Para isso, basta calcular normalmente o valor do imposto a pagar e depois verificar o valor do prejuízo a compensar. 

Caso o valor da perda seja maior, não será necessário pagar o imposto. Basta apenas informar essa situação na sua Declaração de Ajuste Anual de IR (feita entre os meses de março e abril). 

Como gerar e pagar o DARF

Você pode pagar o Imposto de Renda devido por meio do seu Internet Banking. Basta selecionar a opção DARF na aba de 'Pagamento de Impostos' no site do seu banco. 

Outra alternativa é emitir o DARF no site da Receita Federal e efetuar o pagamento do boleto em qualquer instituição financeira. Clique em 'Pagamento', preencha os dados (código da Receita, estado, cidade, mês em que o imposto foi devido, CPF) e gere a guia de pagamento.

DICA: o código da Receita que deve ser utilizado é o 6015 (IRPF – Ganhos Líquidos em Operações em Bolsa), referente a operações de renda variável.

Exemplo do boleto gerado na emissão do DARF:

IMPORTANTE: a Receita só aceita pagamentos de DARF acima de R$ 10. Caso o valor seja inferior, a recomendação é guardar os comprovantes da operação para, futuramente, somar esse valor com o imposto a pagar referente a outras operações da mesma natureza.

Tem mais alguma dúvida? Entre em contato com nossos consultores pelo chat ou pelo e-mail contato@magnetis.com.br

Veja mais:

Encontrou sua resposta?